Sistemas de trabalho baseados na inovação do talento: o intraempreendedorismo

Tempo estimado  de leitura: 4 minutos

A demanda atual no mercado de trabalho é de versatilidade e criatividade. As carreiras profissionais são cada vez menos uniformes e ser flexível é essencial para conseguir encontrar saídas de sucesso dentro do mercado existente.

Os intraempreendedores ou empreendedores dentro do trabalho combinam uma atitude voltada à colaboração e o fato de serem knowmads. São pessoas que executam suas ideias de forma tão independente que chegam a ser capazes de causar mudanças a longo prazo na organização, envolvendo outras pessoas e conquistando novos adeptos através de sua visão de negócio inovadora.

Os intraempreendedores, portanto:

  • São funcionários, embora pensem e atuem como empreendedores
  • Decidem em quais projetos colaborarão e de que forma
  • Conseguem atingir resultados palpáveis
  • São membros de comunidades dentro e fora da Internet, criando as suas próprias redes de colaboradores
  • Conectam ideias e as colocam na prática, desenvolvendo produtos ou projetos inovadores

Empresas que estimulam a cultura do intraempreendedorismo entre os trabalhadores buscam melhorias constantes com uma filosofia tipo kaizen, já que implementar sistemas que tirem proveito econômico das ideias dos trabalhadores é uma forma fácil de melhorar os processos e modelos de negócio.

O intraempreendedorismo aproveita todas as vantagens do talento interno: por um lado a empresa ganha com a contribuição adicional destes trabalhadores e, por outro, eles se desenvolvem profissionalmente, dando o melhor de si mesmos.

Joan Torrent, Diretor da UOC Business School, afirma que “o intraempreendedor é a pessoa que trabalha em sintonia com os objetivos e a cultura corporativa. É questão de encontrá-los, de incentivá-los e de dar-lhes os instrumentos necessários para inovar.” O modelo de reconhecimento público da capacidade de inovação através de recompensas está muito difundido nas empresas dos EUA, e algumas grandes companhias espanholas como Gas Natural Fenosa e Telefónica España também estão começando a usar esse sistema de incentivo para os seus recursos humanos. Um exemplo é a intranet de Orange IdClic, onde os trabalhadores expressam suas propostas. Orange revelou que mais de 4% das ideias recebidas pelos trabalhadores foram aplicadas desde a sua implantação.

Você tem experiência ou conhece pessoas que vivenciam e estimulam o intraempreendedorismo? A sua empresa possui um espaço ou uma estrutura para facilitar a flexibilização dos processos de trabalho? Conte para nós nos comentários!

Sara Jurado (@sarajuradoBCN) é psicóloga especializada em orientação e Social Media para o desenvolvimento profissional e, atualmente, Orientadora Profissional no Barcelona Activa.