Com as tags: marketing RSS

  • Eduardo Zamora 3:00 am em 04/07/2013 Permalink | Responder
    Tags: , , gamificação, , , marketing,   

    Gamification: Um novo pilar da interação digital entre marcas e consumidores 

    Tempo estimado de leitura: 4 minutos

    Um dos recursos mais atrativos para o relacionamento entre seres humanos é o jogo. Aplicado ao marketing digital, como uma marca pode usar o jogo para atrair seus consumidores?

    Isso é o que se chama gamification, também chamada ludificação. Dados interessantes:

    As pessoas se lembram de 20% do que escutaram, de 30% do que viram e ouviram e de 60% das coisas com que brincaram ou se relacionaram.

    Como desenvolver uma estratégia de gamification?

    1. Defina as metas e o alvo da estratégia. Que objetivos temos? O que queremos tornar lúdico?

    2. Decida para quem está voltado, quem se quer impactar.

    • Dominantes: Jogam para competir e ganhar.
    • Egocêntricos: Jogam para ser reconhecidos.
    • Socialites: Jogam para relacionar-se.
    • Exploradores: Jogam para descobrir as possibilidades e segredos do jogo.

    3. Saiba a motivação intrínseca do seu target. O que lhes motivam? Divertir-se, socializar-se, o prestígio ou compartilhar?

    4. Pesquise sobre os hábitos e tendências seguidas pelos seus consumidores para acertar na hora de criar uma experiência de jogo.

    5. Planeje a história ou conceito, para definir a experiência que será vivenciada.

    6. Faça o design do sistema de jogo, elementos de sua ambientação e as ferramentas para que seja um sucesso.

    7. Cuide da experiência de usuário. Encontre o equilíbrio entre a boa experiência e um nível de dificuldade adequado, nem tão simples que não apresente desafios, nem tão difícil que não possibilite avançar.

    Finalmente, deixamos aqui um exemplo claro, e de muito sucesso, desta tendência: o case de Greenpeace, que com sua estratégia de gamification conseguiu marcar a diferença.

    Eduardo Zamora (@amudiel) é Diretor estratégico na agência mexicana de comunicação integral ifahto. Há 12 anos tem a oportunidade de participar no conceito criativo e estratégico de campanhas de marketing integral para empresas de consumo massivo. Os principais objetivos alcançados com os clientes com que trabalhou foram: atingir os objetivos de vendas, lembrança de marca, aumento na participação de mercado e geração de percepção em meios digitais e tradicionais.

    Na sua empresa foram implementadas estratégias de gamification? Quais estratégias utilizaram? O resultado foi ou está sendo positivo? Conte para nós a sua experiência!

     

     
  • Jose Manuel Perez Marzabal 6:00 am em 21/03/2013 Permalink | Responder
    Tags: legal 2.0, marketing, ,   

    Importância do naming na rede para sua estratégia digital 

    Tempo estimado de leitura: 5 minutos

    Um dos aspectos críticos da estratégia de marca online está relacionado aos nomes de domínio. Historicamente, fomos encontrando uma certa disputa entre os nomes de domínio na Internet e marcas de terceiros coincidentes com os mesmos. Uma tensão que acarretou em numerosas práticas predatórias e parasitárias como, entre outras, um modelo de negócio de apoderamento sistemático de nomes de domínio para a sua posterior venda à melhor contraoferta.

    De uma perspectiva atual e prática, no contexto da denominada Web 2.0 que supõe uma evolução em relação aos sites corporativos tradicionais, estamos diante do fenômeno do naming e dos endereços personalizados que as redes sociais oferecem (vanity URL, em inglês). Na minha modesta opinião, é uma repetição da situação anterior, que tinha o precedente claro da figura de ciberocupação antes de que fosse consolidada a política existente da ICANN como peça fundamental da engrenagem para o cadastramento e a resolução de controvérsias entre o titular de um nome de domínio e um terceiro pelo registro e exploração abusiva do mesmo no que se refere aos domínios de Internet (conhecida também pelas sua sigla em inglês UDRP), para assegurar a solução de disputas por mecanismos arbitrais com a intervenção de entidades acreditadas, entre as que destaca a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI, em inglês).

    Os elementos que formam a rede de redes necessitam ser identificados e diferenciados dos demais por uma URL única e irrepetível. Tal identificação pode ser conseguida através de endereços IP e do sistema de nomes de domínio (DNS, em inglês). Os nomes de domínio, que participam da natureza jurídica própria dos bens imateriais, passaram de ser um endereço eletrônico qualquer a um sinal distintivo sui generis que identifica as personas, físicas e jurídicas, que configuram o ecossistema de Internet.

    No entanto, e aqui está uma potencial fonte de litigiosidade, é possível registrar praticamente qualquer nome de usuário como endereço URL nas redes sociais e aplicativos web com o único requisito de que esteja disponível (provavelmente uma das poucas exceções seja Facebook). Ou seja, dentro do atual regime “aberto”, sem esquecer-se das condições de serviço nos ambientes sociais, existem pouquíssimas restrições para que as pessoas ou entidades se cadastrem. Apesar disso, diante de uma infração, seria suscetível aplicar tanto a normativa de marcas como a de concorrência desleal que tem a vantagem processal da possibilidade de tomar medidas cautelares ab initio.

    Enquanto se esperam novos acontecimentos, o rápido crescimento das redes sociais, assim como o interesse estratégico de potencializar a marca na Web 2.0, especialmente para as companhias cuja atividade é de caráter transnacional, incentiva também a criação de um amplo portfólio de nomes de usuário. Por tudo isso, é recomendável a todos os atores com um mínimo de presença na rede ou que buscam uma vantagem competitiva baseada na diferenciação e imagem de marca, utilizar ferramentas como namechk ou Alertas de Google previamente ao desenho de seu portfólio de nomes de domínio e marcas que sirvam para solidificar sua estratégia de marketing digital.

    Jose Manuel Pérez Marzabal (@jmperezmarzabal) é advogado especializado em Internet e comércio eletrônico em MTNProjects. É também Professor externo de BES La Salle e Consultor docente na Universitat Oberta de Catalunya (UOC). Tem um Mestrado em direito internacional (LL.M.) pela WWU Münster e Diploma em Estudos Avançados (DEA) em direito e economia internacional pela Universidade de Barcelona.

     

     
  • Mila Nikolova 2:00 pm em 06/07/2012 Permalink | Responder
    Tags: , marketing, ,   

    E a sua agência, é 2.0? 

    Tempo estimado de leitura: 5 minutos

    Estamos vivendo em um mundo no qual a comunicação não tem muita relação com o que era há 5 anos, imagine se falamos sobre 15 ou 20 anos atrás. Se antes nós mandávamos cartas e depois e-mails, agora mandamos mensagens pelo WhatsApp e através do Facebook. Antes íamos no cinema e agora fazemos streaming online e temos dispositivos de home cinema e inclusive televisões em 3D. Antes usávamos um mapa para nos localizarmos pela cidade e agora usamos um GPS ou o Google Maps no nosso Smartphone.

    No entanto, as inovações que adotamos naturalmente a nível pessoal, sempre demoram um bom tempo em serem incorporadas aos nosso âmbito profissional. Tudo começou com a revolução do e-mail, que aos poucos eliminou o correio postal e está também prestes a fazer o fax desaparecer.

     

    Nos últimos dois anos as ferramentas 2.0 começaram a aparecer nos escritórios e, embora pareça inacreditável, as agências não são especialmente revolucionárias neste processo.

    Uma agência de comunicação, seja de marketing, publicidade ou de relações públicas, se dedica a criar ou transformar o discurso das marcas, fazendo com que se adapte aos meios, canais e, sem dúvida, ao público ao que se destina. Pude observar a partir do boom da comunicação digital que as agências na Espanha estão demorando mais do habitual em adaptar as suas estruturas e estratégias aos dias de hoje. Principalmente se nos referimos às agências ATL ou Above the line. Não questiono tanto as suas campanhas, falo mais do seu funcionamento interno. Se as pessoas que compõe estas agências não estão completamente submergidas na infinidade de possibilidades do mundo 2.0, dificilmente poderão ajudar seus clientes a criar engagement nos novos meios.

    No momento que conheci a Zyncro, uma das primeiras coisas que passaram pela minha cabeça como profissional da comunicação foi que é a ferramenta ideal para uma agência de publicidade. Por quê?

    1. Briefing e contrabriefing 2.0: acabaram os e-mails e as eternas reuniões. Basta com criar um grupo de trabalho para o cliente e convidá-lo para começar a intercambiar informação no espaço designado para documentos. É possível criar debates, adicionar links, fotos… Até mesmo criar um workflow para o processo de aprovação.
    2. O processo criativo: Que maneira poderia ser melhor para saber o estado das criatividades! Caso você colabore com designers freelance, também é possível usar a integração com o gestor de projetos e ter a atualização contínua das horas dedicadas, o estado das tarefas e o orçamento. Além disso é fácil carregar imagens e apresentações pesadas e vídeos. O melhor disso? Nem sequer é preciso descarregar no disco rígido, para isso você usará o Zyncro Video Player 😉
    3. Faturas: mais uma vez citamos o Workflow para estabelecer o processo de aprovação por parte do cliente, do Account Manager ao departamento de Administração. Sem contar que tudo fica muito bem armazenado na nuvem.

    Também existem infinitas ferramentas de baixo custo que, combinadas com uma Rede Social Corporativa, podem facilitar muito o trabalho das agências:

    • Comapping.com é uma ferramenta para criar mapas mentais que tem tudo para se transformar em um must para os planners.
    • Join.me evita os deslocamentos e permite fazer videoconferências com preços low-cost.
    • Zoho Invoice facilita a gestão de faturas pelos departamentos de Contabilidade e Tesouraria…

    E sua agência? Já está utilizando algumas destas ferramentas? Tem previsão para incorporá-las? Junte-se à revolução do Social Business, evolua para 2.0!

     

     
  • Patricia Fernandez Carrelo 9:15 am em 17/01/2012 Permalink | Responder
    Tags: endomarketing, gerente da comunidade, marketing, marketing on-line, red sociais Corporativa, red sociais de Empresa, , ,   

    Webinar sobre redes sociais corporativas para os departamentos de marketing e comunicação 

    Tempo de leitura: 3 minutos

    Continuando a série de webinars de treinamento iniciado em dezembro pela Zyncro e Web2Present , convido todos para o seminário web chamado “Redes Sociais Internas para o Marketing e Comunicação” .

    O quê?

    Neste novo  webinar , além dos conceitos básicos sobre o significado de uma rede social interna dentro da empresa, explicaremos como os departamentos de marketing e comunicações tem uma ferramenta social dentro de sua própria organização pode ser uma excelente ferramenta para otimizar o seu trabalho, melhorar  processos e envolver os trabalhadores nas estratégias da empresa.

    Analisaremos diferentes usos e casos de sucesso nas Redes Sociais Corporativa dentro do Departamento de Marketing e Comunicação, trataremos o conceito do endomarketing (ou como se comunicar e construir uma marca dentro da empresa) e desenvolveremos um modelo para o gerenciamento de equipes de trabalho composta de comunidade gerentes .

    Quando?

    O webinar terá lugar na Terça-feira 24 de Janeiro às 18:00 CET e vai durar aproximadamente  30 minutos .

    Quem?

    O seminário será ministrado por Patricia Fernández Carrel , Diretora de Marketing da Zyncro .

    Como?

    Para se juntar à nossa webinar é só se inscrever no Seguinte formulário.

    Para saber mais sobre Redes Sociais Corporativas para o seu departamento de Marketing e Comunicação clique no seguinte link: Eu quero participar do webinar!

     
  • ZyncroBlog 12:04 pm em 05/10/2011 Permalink | Responder
    Tags: , , marketing,   

    Do B2C para o B2B: comunicação pessoal vs. comunicação corporativa? 

    Tempo estimado de leitura: 5 minutos

    Como comentei em meu post anterior, o marketing que devemos desenvolver quando estabelecemos contato com pessoas (os chamados “consumidores finais”) é bastante diferente do marketing dirigido para empresas, pois a liberdade de decisão e os aspectos que levam em conta para tomar a decisão final são também diferentes em ambas as situações.

    Com a comunicação acontece algo parecido, mudar o destinatário e mudam muitos fatores. Por exemplo, sempre devemos nos comunicar com os potenciais clientes em um meio e em uma linguagem cômodos para eles. Para o B2C deve-se ter claro o perfil de nossos cliente e conhecer seus gostos (esporte, música, cinema…), interesses e inclusive os “jargões” que usam. Por outro lado, quando se trata com empresas (B2B) não precisa se investigar muito sobre a pessoa (também), mas procurar conhecer os canais de comunicação e saber certas informações sobre a companhia, como o setor ao qual pertence, seu tamanho, seu negócio ou sua rede de contatos. Informações menos pessoais e mais corporativas. Nesse caso, é necessário conhecer a terminologia que envolve o setor ao qual pertence a outra companhia.

    Em função do canal, devemos ajustar aos nossos destinatários e enviar e-mails, criar anúncios de TV ou escrever um artigo impresso de uma maneira ou de outra. Além disso, essas mensagens são todas unidirecionais e é difícil ter uma resposta direta.

    Nesse sentido, as redes sociais de hoje em dia têm uma papel fundamental para a comunicação com os usuários/clientes e são uma fonte de informação muito importante, graças ao feedback contínuo.

    É uma grande ferramente, mas as vezes nos limita a um único seguimento. Deve-se cuidar dos perfis e das publicações, e a comunicação com os usuários deve ser fluída na medida do possível e adaptada a nosso interlocutor. Se respondermos as dúvidas depois que já tiverem passado 2 semanas, provavelmente o ânimo do receptor não será mais o mesmo. Ele estará de certa forma decepcionado com o tratamento recebido e muito provavelmente terá decidido entrar em contato com o concorrente.

    Para concluir e resumir, deixo minha humilde opinião, os segredos para se comunicar com seus destinatários, desde o departamento de Marketing, de Vendas, até o Suporte ao Cliente, são:

    • analisar e adaptar corretamente a quem está recebendo a mensagem, seja empresa ou pessoa;
    • oferecer um produto que atenda a suas necessidades, sejam elas quais forem;
    • e ter um serviços de apoio por trás, rápido para dar respostas.
     
  • ZyncroBlog 9:45 am em 19/09/2011 Permalink | Responder
    Tags: , , marketing,   

    Do B2C para o B2B, ou da paixão para a razão. Visão de um jovem Assistente de Marketing 

    Tempo estimado de leitura: 3 minutos

    Para provar que tenho um ponto de vista válido na hora de nomear e analisar as diferenças do marketing aplicado para as empresas e para os consumidores, o correto seria me apresentar antes. Como diria um dos meus ídolos: Jay-Z “Allow me re-introduce myself”. Me chamo Carlos, tenho 23 anos e a cerca de 2 estou no mundo do marketing. Há pouco tempo decidi entrar no mundo do e-commerce, especificamente, faço a importação para a Espanha de marcar de roupa americanas de streetwear que não vinham para cá e sua venda posterior na minha loja online. Atualmente colaboro também com a Zyncro como Assistente de Marketing.

    Para começar e colocar todo mundo em posição, na minha opinião a principal diferença entre o marketing pensado para conectar pessoas e o que quer se conectar com empresas (que por outro lado, também são pessoas, só que “forçadas” a seguir as necessidades da empresa a que pertencem) é para qual órgão do corpo dirigimos nossa mensagem.

    Eu explico: se quer vender uma rede social corporativa como a Zyncro ao responsável pela logística de uma multinacional, você deve convencê-lo dos benefícios que a empresa terá adotando uma solução de comunicação 2.0, que permite conectar todos os membros de uma mesma organização, compartilhando arquivos a partir de uma mesma intranet corporativa.

    Você terá que fornecer uma grande quantidade de informações, deixá-lo experimentar o software, demonstrar que as funcionalidades agregam valor para a organização, que irá economizar tempo para ser investido em outras tarefas… Dados que, em última análise, podem ajudá-lo a analisar e tomar sua decisão. Órgão atingido: o cérebro.

    Para vender produtos de consumo com uma utilidade concreta e simples para pessoas, o que precisa ser feito é justamente o contrário: tentar focar a decisão de compra nos desejos e impulsos (como disse Kent Brockman em um capítulo dos Simpsons: “Te contei meu segredo do sucesso? Contar histórias humanas. Elas vão ao coração e envolvem a mente”). Melhor explicação impossível!

    Contudo, tanto no Marketing B2C (Business to Costumers) como no B2B (Business to Business) o que deve ficar claro primeiramente é o verdadeiro atrativo do seu negócio e seu diferencial dos demais, para começar a ocupar um espaço tanto no mente como no coração de todos os clientes que possam se interessar pelo seu produto. Uma vez que se consegue isso, você perceberá de forma concreta que está posicionado no mercado.

     
  • Yolanda Torres 11:49 am em 08/09/2011 Permalink | Responder
    Tags: marketing, , personal brading   

    Digital Personal Branding 

    Tempo estimado de leitura: 4 minutos

    • Meu nome: Yolanda Torres
    • Nasci em: Ibiza
    • Minha profissão: comunicação
    • Minha empresa: Equipo Singular
    • Minha digital personal branding: @yolandaibz

    Fundei a Equipo Singular a cerca de 17 anos, agência especializada em branding estratégico e posicionamento de produtos utilizando todas as ferramentas de comunicação on e off line.

    Mais tarde me reciclei na ESDEN. As novas tecnologias avançam tão ráído que achei necessário fazer um mestrado em marketing digital para ganhar perspectiva; e foi o que eu ganhei, estou projetando várias estratégias de posicionamento digital, mas a que mais me emociona é a da minha terra, Ibiza.

    Em um jantar com alguns amigos, um deles, que tem uma conhecida empresa com seu nome, voltou a falar sobre Personal Branding, que com a internet gerou uma cobrança absurda. Mas por que?

    • Na internet temos uma identidade digital comparável a que tem uma marca ou produto.
    • Nosso nome/apelido se posiciona na rede, dependendo da nossa atividade on/off line.
    • Nossa atividade nas redes sociais são outro elemento que constitui nossa reputação pessoal digital.
    • Com ou sem estratégia de personal branding, eu sou minha marca.

    Na agência, temos mantido uma política de privacidade sobre a nossa identidade, de fato, durante muitos anos o logo da Equipo foram sombras humanas “estão na sombra de nossos clientes”, foi a nossa reivindicação, éramos isso: Equipo sim, mas com identidades particulares.

    A era 2.0 está revolucionado e mudando totalmente as regras do jogo. Hoje temos que “estar com nomes e apelidos, estamos condenados a ter uma identidade digital e uma pegada online visível”, o Digital Personal Branding trabalha para adequar essa pegada a nossos interesses, já que temos que aparecer, vamos trabalhar nossa identidade de acordo com nossos objetivos: Personal Branding, como fazer?

    Desenhando nosso próprio plano de marketing pessoal:

    • Missão: o que eu quero?
    • Visão: quem eu sou, onde estou com relação ao meu objetivo?
    • Objetivo: como quero ser visto?
    • Estratégia: quais métodos vou utilizar?
    • Timming: quanto tempo vou dedicar a isso?

    Ao definir o que queremos, estamos fazendo um planejamento não só profissional mas também as vezes vital, pois já sabemos o tempo e dedicação necessários no trabalho… A respeito disso, deixo um link engraçado http://z.ync.ro/6lTwK, que demonstra de forma exagerada o que estou dizendo.

    Nossa visão, como disse um de meus mestres, Seth Godin, em seu post “Mark Zuckerberg is not Mark Zukerberg” somos nós com nossos prós e contras no contexto em que nos encontramos.

    Os objetivos têm relação estreia com a missão, é decidir: O que queremos conquistar? Os objetivos profissionais se alinham muitas vezes com os pessoais, somos um e o único Digital Personal Branding deveria levar em conta nossos objetivos vitais.

    Se fizermos o que nos realiza profissionalmente, seremos muito mais eficazes.

    Sobre a estrategia, vamos nos aprofundar nas ferramentas 2.0, ou como gerir o talento em Social Media, meu conselho é o seguinte: conhecer as ferramentas 2.0 é fundamental para o Digital Personal Branding, dificilmente podemos utilizar meios que não conhecemos.

    O timming depende da importância que damos ao nosso posicionamento pessoal, cada um tende- dependendo de seus objetivos – a um timming para conseguí-los, outro conselho acompanhado de uma reflexão:

    A rede não anda, ela voa!

    Pense antes de agir, a rede voa e temos que saber para onde queremos voar antes de entrar no avião”.

    Estão preparados para o Digital Personal Branding?

     
  • Xavi Gracia 3:08 pm em 18/07/2011 Permalink | Responder
    Tags: , , marketing, , mídias sociais,   

    Alinhe as Mídias Sociais com sua empresa – a visão de um CIO 

    Estamos em um momento em que  vender dá muito trabalho, a publicidade convencional já não seduz, campanhas de TV são muito caras, os spots de rádio são escassos e muitas vezes não atingem os objetivos desejados pelas empresas.

    Por outro lado temos a explosão do Social Media Marketing, que se apresenta como a solução para tudo.

    As Mídias Sociais, em minha opinião, vieram para ficar e por isso devemos incorporá-las em todos os níveis da organização, mas, como tudo, isso deve ser muito bem feito, alinhando essas mídias aos planos de negócios da empresa, e não como iniciativas independentes dos departamentos de marketing on-line.

    Se como empresas decidimos investir em Social Media Marketing, devemos incorporá-lo totalmente, como quando de implanta um CRM em todas as áreas e departamentos trabalham em redor disso.

    Hoje, as conversas se dão na rede e precisamos aprender a escutar. Mas isso de nada serve se não somos capazes de processar essa informação e tomar decisões.

    Resumindo, quando entramos no mundo das mídias sociais precisamos entender e estar dispostos a lidar com as peculiaridades deste universo.

    • Alinhamento: Integre aos planos de Marketing, vendas…. e não como uma ação isolada que “alguém” de marketing (geralmente o estagiário, porque é jovem e “domina” o Facebook)
    • TV+Internet: Se a estratégia é TV+Internet, o impacto pode ser muito grande (se bem feito)
    • Tecnologia: Ter os sistemas de informação e tecnologia preparados para possíveis picos e para o tráfego que geram as redes sociais no momento do spot de TV (repito: a combinação TV+Internet é poderosa!)
    • Compartilhe a informação: Todos devem saber da existência da campanha (Atenção ao cliente, redes de vendas, call center…), mesmo que seja através do “Facebook”, isso impacta em todas as áreas da empresa (até no financeiro!)
    • Ações: É preciso saber ouvir as conversas que rolam na rede, mas isso não serve de nada se as informações recebidas não gerarem ações específicas.
    • Gerentes de Comunidade: Sejamos todos um pouco “gerentes de comunidade”….porque quem mais sabe de nossas marcas somos nós mesmos.:-)

     

     
  • Alexandre Lahoz 8:09 am em 07/07/2011 Permalink | Responder
    Tags: , , , identidade, , marketing   

    Identidade Corporativa 2.0 

    Já começamos a colher bons frutos do desenvolvimento em larga escala do mercado de TI, que tem melhorado significativamente as soluções voltadas à comunicação de massa.

    Termos como “competição” perdem cada vez mais espaço no vocabulário corporativo para “colaboração” . Mas será que existe alguma relação prática com a identidade visual de marcas, produtos e serviços? Sejam bem vindos a era da comunicação 2.0, onde o feedback é imediato, preciso e explosivo. Seu ingrediente principal? A interatividade de idéias!

    Empresas 2.0 têm na marca um de seus principais patrimônios. Podemos resumir Identidade Visual como um conjunto de símbolos absolutamente únicos, concebidos basicamente a partir da identificação de elementos e qualidades singulares, que através de uma linguagem e estética apropriada vão agir diretamente nas lembranças do espectador, trazendo a tona toda sua experiência acumulada sobre determinada entidade, produto ou serviço. Seu resultado é o que podemos resumir como “uma imagem que vale mais do que mil palavras”.

    Normalmente, seria necessário um enorme esforço da empresa para identificar quais seriam essas “mil palavras”, seja através de pesquisas, campanhas, ações promocionais e etc… Mas com a realidade da comunicação 2.0 experimentamos um novo sentido na comunicação. Pronto! O espectador (funcionário, cliente, parceiro, fornecedor….) agora se torna ativo, assume um papel importante de colaborador e ganha muito valor no processo de construção das marcas, interagindo na sua criação e manutenção, apresentando interesses, linguagens e as tendências gratuitamente.

    Isso já é realidade na lógica menos forçada e muito mais orgânica na concepção de determinadas marcas.

    Assim, o “target” de marketing se apresenta muito mais segmentado do que antes e as ações muito mais precisas. Enquanto o espectador “colabora” interagindo nas mídias sociais, a monitoria, aliada as ferramentas certas para a medida de resultados, apontam de fato as melhores abordagens para conquista de bons resultados de comunicação com uma marca.

     
  • Patricia Fernandez Carrelo 12:07 pm em 20/04/2011 Permalink | Responder
    Tags: , , , curador de conteúdo, , , , marketing, , methodology, mídia social, mídia social estrategista, moderados de comunidade, ,   

    Estrategista, comunidade, curador… Qual destes temos na Zyncro? 

    Tempo estimado de leitura: 3 minutos

    Tem se falado muito sobre comunicação 2.0, sobre as novas formas de narrar acontecimentos, sobre os valores que definem este tipo de comunicação e até mesmo sobre a integração entre marketing interno e externo.

    Mas,na Zyncro nós gostamos de falar sobre a teoria, bem como a prática, direto ao que seria de interesse de nossos leitores, como um estudo de caso prático para aprender, não apenas para discutir “o quê” mas também “como”.

    Assim, após a publicação de Uma história sobre como nós usamos Zyncro, um pouco mais descritiva do que Como os Empregados do Twitter enviam seus Tweets … Nós gostaríamos de explicar como conseguimos a melhor parte de nosso conteúdo digital.

    A estratégia que seguimos na Zyncro consiste, basicamente em estar presente e contribuir, e os nossos esforços são distribuídos da seguinte forma:

    Para fazer tudo isso acontecer, a Zyncro tem uma equipe de profissionais coordenada por Luis Font, em pessoa, é claro – que são responsáveis ​​por estas tarefas, assim como gerar conteúdo de alta qualidade a cada dia, cada um com suas próprias responsabilidades adicionais. Como Júlio César costumava dizer: dividir para governar.

    Assim, na Zyncrommunity (comunidade criada dentro Zyncro para o intercâmbio de conhecimentos e experiências sobre o significado da empresa 2.0), quando a questão de quem é o “gerente da comunidade”  é complicado responder. É difícil nomear cada uma das pessoas que administram estas questões. Do nosso ponto de vista os cargos só proporcionam um valor facial e que é importante é o desempenho de uma pessoa: seus métodos, seus objetivos, suas conquistas … Não tanto título do trabalho deles.

    • Na Zyncro tentamos conversar com os nossos seguidores, responder aos nossos clientes e sugerir idéias para eles através das redes sociais e blogs (nós somos os gestores da comunidades).
    • Na Zyncro pretendemos manter-se atualizada com as novas estratégias de marketing digital e nós nos auto redirecionamos em relação aos resultados (nós somos estrategistas de mídia social).
    • Na Zyncro nós geramos e compilamos o conhecimento sobre a empresa 2.0: nós monitoramos a terminologia, podemos ler e extrair conhecimento a partir de blogs e grupos de LinkedIn, selecione Favoritos no Twitter … (nos somos curadores do conteúdo).

    Mas como equipe :). E eu não estou dizendo que somos perfeitos, porque eu não acho que ninguém seja … Mas esta é a nossa maneira de trabalhar. O que você acha? Chamando especialistas em mídia social … Aguardamos seus comentários!

     
c
compor novo post
j
próxima post/próximo comentário
k
post anterior/comentário anterior
r
responder
e
editar
o
mostrar/esconder comentários
t
voltar ao topo
l
iniciar a sessão
h
mostrar/esconder ajuda
esc
cancelar